O que já se sabe que o Orçamento de 2017 lhe vai trazer

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Importante O que já se sabe que o Orçamento de 2017 lhe vai trazer

Mensagem por dragao em Dom 02 Out 2016, 17:43

A 29 de Novembro será o encerramento do debate e a votação final global da proposta do Governo de OE para 2017.
O Governo prometeu continuar com a devolução de rendimentos no próximo ano, mas o Orçamento do Estado para 2017 também deverá incluir aumentos de alguns impostos indirectos, como o agravamento da tributação sobre imóveis de elevado valor.
A cerca de duas semanas para a entrega da proposta do OE2017 na Assembleia da República, o Governo, pela voz de ministros ou de secretários de Estado, garantiu que a devolução de rendimentos - sobretudo através do fim dos cortes salariais na Função Pública e da sobretaxa do Imposto sobre o Rendimento de pessoas Singulares (IRS) - é para continuar no próximo ano, avança a Lusa citada pelos site noticiosos.

No entanto, o ministro das Finanças, Mário Centeno, disse já que as alterações fiscais previstas para o próximo ano "terão o mesmo padrão de 2016", através de um "balanceamento entre impostos directos 'versus' indirectos".
O OE2017 deverá incluir um novo imposto sobre o património imobiliário de valor mais elevado, uma medida que o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade, lembrou que estava inscrita no programa do Governo, avança a Lusa.
Eis algumas das medidas que o Governo poderá introduzir em 2017:
IRS 
A eliminação da sobretaxa de IRS em 2017 já tinha ficado prometida numa lei aprovada em Dezembro de 2015, um compromisso que foi reiterado no OE2016.
No Programa de Estabilidade, o Governo defendeu a "redução da fiscalidade sobre o trabalho, através da eliminação da sobretaxa do IRS e de alterações ao imposto que reforcem a sua progressividade".
O Governo vai reformar o regime de deduções de educação no IRS (Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares), esta informação foi confirmada em Setembro de 2016 pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Fernando Rocha Andrade.
Só a redução da sobretaxa terá um custo estimado de 430 milhões de euros este ano e, no próximo ano, o impacto será de 380 milhões que o Estado deixará de cobrar ao eliminar a medida, segundo as projecções do Governo.
Tributação conjunta no IRS para 2017: uma alteração do regime de tributação conjunta no IRS. A obrigatoriedade de entrega separada para quem se atrasa na entrega do IRS vai então,deixar de existir, de acordo com esta proposta do Governo.
IVA da restauração
A redução do IVA na restauração dos 23% os 13% entrou em vigor a 1 de Julho último e manter-se-á em todo o ano de 2017.
O ministro das Finanças garantiu no parlamento que o OE2017 não vai trazer mexidas IVA: "Há um conjunto de impostos que não são alterados, por exemplo quando falamos no IVA".
O Governo estimou que a medida vai custar 175 milhões de euros no segundo semestre de 2016 e que, em 2017, represente uma redução da receita de mais 175 milhões de euros face ao ano anterior.
Impostos sobre património imobiliário
No OE2016, o Governo tinha já algumas medidas agendadas para 2017, como foi o caso das alterações ao Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI): a taxa máxima a pagar a partir de Janeiro foi reduzida de 0,5% para 0,45% e o valor patrimonial tributário (VPT) dos imóveis será alvo de uma correcção monetária extraordinária "com base no factor 1,0225", o que corresponde a um aumento de 2,25%, avança um artigo da Lusa citado pelos sites noticiosos.
O executivo deverá avançar com um novo imposto sobre o património imobiliário que incidirá sobre os imóveis de valor mais elevado, mas a medida ainda não foi especificada pelo Governo.
Orçamento Participativo de Portugal 2017
O orçamento total será de três milhões de euros. O dinheiro será investido nas áreas da cultura, agricultura, ciência, educação e formação de adultos.
Os projectos vencedores serão executados a partir de Setembro de 2017.
A verba vai ser dividida pelos vários grupos de projectos (territoriais e o nacional) de uma forma igual. O método de funcionamento ainda não foi completamente esclarecido pelo governo.
Salário mínimo
O salário mínimo nacional foi aumentado em Janeiro deste ano para os 530 euros, depois de ter estado congelado nos 485 euros entre 2011 e 2015. No Programa do Governo, o executivo comprometeu-se a subir gradualmente o valor desta remuneração, de forma a atingir os 600 euros em 2019, o último ano da legislatura.
A medida teve como contrapartida para os patrões uma descida de 0,75 pontos percentuais na Taxa Social Única (TSU) aplicada aos salários mínimos e paga pelas empresas.
A promessa foi reiterada na proposta de Grandes Opções do Plano, em que o executivo mantém a intenção de dar continuidade ao aumento progressivo do salário mínimo nacional.
Na semana passada, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social apresentou aos parceiros sociais três cenários para o aumento do salário mínimo: um acordo de médio prazo, um acordo parcial e um valor a decidir pelo Governo depois de ouvidos os parceiros.
Mas Vieira da Silva, sem adiantar pormenores, afirmou que "o Governo deseja promover um acordo de médio prazo com os parceiros sociais", e considerou que ainda há tempo para a sua negociação, apesar de o salário mínimo ser aumentado a 1 de Janeiro.
Fundos estruturais
No Programa de Estabilidade, o Governo previa uma receita de 285 milhões de euros em fundos estruturais da União Europeia em 2017. No entanto, com o processo das sanções de que Portugal foi alvo por não ter reduzido o défice abaixo dos 3% em 2015 (ficou nos 4,4%), esta verba ficou ameaçada. 
Entretanto, Bruxelas recomendou a suspensão de multas ao país (decisão confirmada pelo Ecofin), mas o processo de congelamento parcial de fundos, por ser automático, prossegue.
A defesa de Portugal foi apresentada em carta escrita pelo ministro das Finanças e enviada aos responsáveis europeus, argumentando o Governo que a suspensão destes fundos, mesmo que parcial e temporária, teria efeitos ainda mais danosos para a economia portuguesa que a aplicação de uma multa.
O Parlamento Europeu realiza na segunda-feira, à margem da sessão plenária, a primeira audição sobre a eventual suspensão de fundos estruturais a Portugal e Espanha, no âmbito do Procedimento por Défice Excessivo (PDE).
Fim dos cortes salariais na Função Pública
No início deste ano, o Governo deu início à devolução progressiva (trimestral) das remunerações na Função Pública e, em Outubro, os funcionários públicos voltam a receber os seus ordenados por inteiro, o que não acontecia há cinco anos, quando foram aplicados cortes aos salários acima de 1.500 euros brutos.
Assim, o próximo ano será o primeiro desde 2011 em que o Estado volta a assumir o pagamento dos vencimentos dos funcionários públicos sem reduções, uma medida que vai custar 704 milhões de euros, mais 257 milhões do que em 2016, estimou o Governo no Programa de Estabilidade.
Também na proposta das GOP, o executivo voltou a afirmar que pretende "continuar a recuperação salarial dos trabalhadores do Estado".
Progressão nas carreiras e aumentos salariais congelados
Em 2017, a progressão nas carreiras da Função Pública deverá manter-se congelada, segundo o Programa de Estabilidade, que também não contempla o aumento de despesa com aumentos salariais.
Na circular que contém as instruções para os serviços preparem o OE2017, publicada em Julho, as Finanças determinaram que "a orçamentação das remunerações é realizada com base nos vencimentos estimados para Dezembro de 2016", ou seja, tendo em conta a reversão total dos cortes salariais.
O Executivo ainda não se pronunciou sobre a possibilidade de eventuais subidas dos salários dos funcionários públicos.
Contratação pública
O Governo deverá manter a regra que permite contratar um trabalhador por cada dois que deixem a Função Pública.
No Programa de Estabilidade, o executivo de António Costa prevê uma poupança de mais 122 milhões de euros na "política de emprego público e outros incentivos à produtividade" em 2017, rubrica onde se inclui esta regra.
Despesa com consumo intermédio e juros 
Para o próximo ano, o Governo pretende poupar 300 milhões de euros em consumos intermédios, uma estimativa incluída no Programa de Estabilidade e que não considera a redução dos encargos com Parcerias Público-Privadas (PPP).
O executivo pretende ainda poupar 180 milhões de euros através do congelamento da despesa corrente e gastar menos 141 milhões de euros nos juros com a dívida pública. No entanto, não explica como é que pretende fazê-lo, o que motivou críticas de várias entidades, como a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), a Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI), que avisaram que essa falta de especificação pode colocar em causa os objectivos de poupança.
Entretanto, na circular com as instruções de preparação do OE2017, as Finanças pediram aos serviços para que incorporassem nos planos orçamentais iniciativas de "melhoria da eficiência e de controlo de despesa que permitam acomodar o efeito de novas pressões orçamentais, mas também gerar folgas financeiras para acomodar eventuais novos projectos".
Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES)
Na proposta das GOP, o Governo reitera que pretende extinguir a CES, uma medida que representará uma perda de receita de 18 milhões de euros, segundo o Programa de Estabilidade.
A CES foi implementada como medida transitória em 2011 e desde 2015 que incide sobre as pensões superiores a 4.611,42 euros. No entanto, este ano a taxa foi reduzida para metade: 7,5% para o montante entre os 4.611,42 euros e os 7.126,74 euros e 20% para o valor que excede este valor, revela o trabalho da Lusa.
Prestações Sociais
O Indexante de Apoios Sociais (IAS) deverá ser actualizado no próximo ano pela primeira vez desde 2008, devendo ser aumentado em linha com a inflação (em torno dos 0,7%), pelo que este valor que serve de base ao cálculo das prestações sociais deverá passar dos 419,22 euros para os 422,15 euros.
O aumento em 2017 já estava previsto no OE 2016 e foi assegurado mais recentemente por António Costa e Vieira da Silva.
Também as pensões mínimas serão actualizadas, sendo que o primeiro-ministro garantiu há cerca de duas semanas que estas prestações serão actualizadas "nos limites das possibilidades".
Por outro lado, e segundo o Programa de Estabilidade, o Governo pretende cortar 100 milhões de euros em prestações sociais em 2017 através da redução da despesa com subsídio de desemprego e de um maior controlo e fiscalização nas atribuições de outras prestações sociais, no âmbito do plano de combate à fraude e evasão prestacional e contributiva.
O Governo reitera esta intenção, de "reavaliar as isenções e reduções da taxa contributiva para a Segurança Social", na proposta de GOP.
Estes dados compilados essencialmente pela Lusa, prevêem do Programa de Estabilidade 2016-2020 enviado à Comissão Europeia em Abril, e da proposta das Grandes Opções do Plano (GOP) de 2017, enviada ao Conselho Económico Social (CES) na semana passada.
avatar
dragao
Cmdt Interino
Cmdt Interino

Masculino
Idade : 48
Profissão : gnr
Nº de Mensagens : 17918
Mensagem : Ler as Regras ajuda a compreender o funcionamento do fórum!
Meu alistamento : Já viste este novo campo no teu perfil?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares